À luz de velas, com vasos e mesa posta ao estilo de Juliana Awada, Maurício Macri comemora seus 64 anos em cumelen. O prato principal era cordeiro e os convidados eram em sua maioria homens, sem suas companheiras.

O ex-presidente ocupou Villa La Angostura, lugar onde se refugiou desde que voltou do Catar e de onde só saiu esporadicamente. Como o passeio que fez dias atrás para acompanhar o candidato do PRO de La Pampa, Martín Maqueira. Participou de uma série de atividades em Santa Rosa para dar um up no seu espaço na primeira eleição do ano. Mas depois voltou ao ostracismo que só o exclusivo país do sul lhe permite.

Longe dos sentimentos de outros tempos, onde acreditava ter sido excluído por líderes próximos que se preocupavam apenas com suas candidaturas, neste verão Macri se consola: todos aqueles que têm aspirações tiveram que ir vê-lo até o fim do mundo. Horacio Rodríguez Larreta e Patricia BullrichEm princípio, mas também Miguel Ángel Pichetto e outros políticos em menor escala. Ele relaxa com o pensamento.

festividades. Em suas redes, Awada mostrou alguns detalhes das múltiplas comemorações do ex-presidente. De manhã, pequeno-almoço com café, tostas, compotas e frutos regionais. Ao meio-dia, para lhe cantar os “parabéns” um bolo rogel do confeiteiro angosturano Juan Cruz Lamuedra, o preferido da ex-primeira-dama naquela cidade.

À noite, a comemoração encerrou o círculo íntimo do ex-presidente. Gustavo Arribas, Martín Seefeld e Hernán Nisenbaum Eles eram alguns dos convidados, segundo o que o NEWS pôde apurar. As duas primeiras, com presença perfeita nos aniversários de Macri no sul.

Antes de controlar rigorosamente quem ligava ou mandava mensagens para cumprimentá-lo regularmente, como fazer, Macri gravou um vídeo de selfie para compartilhar com seus seguidores: “Que bela manhã, diria um amigo. 64 anos é muito, mas a verdade é que me sinto muito jovem”, aponta olhando para a câmera. “Vamos para mais 64 anos, porque não. E vamos Argentina, tenho muita fé nisso. Além disso, vamos lembrar que somos campeões mundiais por mais quatro anos. Vamos Argentina, pelo nosso futuro”.

A mesa que Awada preparou para o aniversário de Macri

As primeiras linhas do PRO tornaram público seu cumprimento por meio das redes, mas não de seus parceiros de coalizão. Elisa Carrio ele não apenas não disse “parabéns” publicamente, como também lançou sua candidatura presidencial naquele mesmo dia: problemas de cartel. Nem os candidatos radicais Gerardo Morales, Facundo Manes e Martin Lousteau Eles lhe deram uma mensagem. Frieza em Juntos.

A agenda de Macri está vazia de política para as próximas semanas. De fato, ao retornar de Villa La Angostura, passará alguns dias em Buenos Aires, pois irá à Itália para realizar suas atividades como presidente da Fundação FIFA. A ausência também serve para aguentar a pressão das lideranças interessadas, da militância e do jornalismo, para saber se fará ou não parte do jogo em 2023. Continue jogando o mistério.

Decisões. Embora o ex-presidente se sinta confortável em sigilo e flertando com a possibilidade de se lançar, fontes próximas a um dos candidatos amarelos que estão na disputa consideram que, indiretamente, o ex-presidente já deixou claro para eles que não vai para participar. Na verdade, seus esforços são feitos para mostrar-se equidistantes entre Larreta e Bullrich.

Os últimos encontros que tiveram com ambos em Cumelén são um verdadeiro reflexo disso: como líder do PRO, quer estabilizar-se fora do recluso, garantir a igualdade e fazer com que a disputa seja justa, sem golpes baratos.

Mas os parceiros de Juntos pela Mudança pedem certezas. O deputado radical Mário Negri protestou contra a “indefinição” do ex-presidente. “Não é bom para a coalizão”, indicaram em entrevista ao La Nación +. E então elevou a fasquia: “Também não faz bem aos argentinos”.

No ambiente de Macri eles entendem que não será preciso que o ex-presidente seja candidato para se tornar um dos protagonistas do ano. A Frente de Todos vai colocá-lo constantemente no ringue, mesmo que não apareça nas listas: o plano do partido governista é associá-lo ao escolhido do PRO para mostrar que não há futuro na coligação de oposição. Será um ano de grande exaustão.

Por isso, o líder da oposição gostaria que fosse necessário o desligamento que começou em novembro, quando se mudou para o Catar por um mês para vivenciar plenamente a Copa do Mundo, que continuou em Cumelén e seguirá com as atividades da Fifa na Europa. Quando ele retornar a Buenos Aires, a temperatura política estará a poucos graus do ponto de ebulição.

galeria de imagens