o líder do Túpac Amaru, Milagro Sala, ela cumpriu sete anos de prisão e os comemorou implorando ao presidente Alberto Fernández que “deixe de ter medo” e “use a caneta” para perdoá-la. Além disso, assegurou que o presidente “peca por acreditar nos outros”, em referência ao Supremo Tribunal de Justiça.

“Cristina (Kirchner) pediu para ele usar a caneta. Alberto tem que decidir isso, a decisão passa por ele mais do que tudo. Que tenham coragem suficiente para o fazer e deixem de ter medo dos media nacionais de oposição, porque lá fora têm medo de uma capa de jornal ou de uma grelha TN. E que de uma vez por todas deixe de ter medo”, garantiu a jujuy em entrevista ao jornal Página 12.

O líder social é em prisão domiciliar em Jujuy por liderar um acampamento e sua situação processual piorou desde então com o acúmulo de processos e condenaçõese quantos seguidores e organizações fiéis manifestam seu apoio e solidariedade contra a “ação persecutória” que sofrem, provavelmente, da Governo provincial chefiado pelo radical Gerardo Morales.

Sala foi presa depois que, em 16 de janeiro de 2016, ela ocupou a praça central de Jujuy junto com mais de 20 organizações sociais, para exigir respostas do governador de Jujuy sobre o funcionamento das cooperativas de trabalho.

Sala dos Milagres
A transferência de Sala para prisão domiciliar foi determinada pela Corte Interamericana de Direitos Humanos devido ao seu delicado estado de saúde.

o líder era preso por “instigação para cometer atos ilegais e motins”, fato que foi investigado e levado a julgamento em 2019.

Para Sala, a prisão significou uma série de processos judiciais que foram iniciados no nível local: alguns chegaram a um julgamento oral, onde ela foi condenada; outros estão pendentes de resolução e, em alguns, foi arquivado.

Além da causa do acampamento, Câmara aguarda julgamento oral por ser conhecida como “Megacausa”No qual também estão envolvidos ex-funcionários, incluindo o ex-governador Eduardo Fellner e vários ex-líderes comunitários por fraude na construção de moradias.

Grabois pressiona Alberto Fernandez e pede perdão a Milagro Sala

Além disso, Jujuy Justiça ordenou o elevação a julgamento do caso pelos incidentes de 8 de março de 2021 no bairro Campo Verde de San Salvadore em que Sala é acusado de ser o instigador.

A princípio esteve no Presídio Feminino Alto Comedero (quatro dias após a prisão para o acampamento), e desde 2017 cumpre pena em prisão domiciliar após a sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos neste sentido e que foi ordenado pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Sala dos Milagres
A preocupação de Sala nos últimos anos, como ela mesma afirmou, tem a ver com o fato de sua situação judicial “piorar” porque ela tem “mais processos do que tinha em 2019”.

A preocupação de Sala nos últimos anos, como ela mesma afirmou, tem a ver com o facto da sua situação judicial “agravar-se” porque tem “mais processos do que tinha em 2019”, e também porque há outros pelos quais vão julgamento ela e outras pessoas por crimes de fraude ou lavagem de dinheiro.

A líder Tupac Amaru considera o judiciário e o governador Morales seus inimigos, dizendo que mantê-la presa “lhe serve” no momento da campanha eleitoral. Em mais de uma ocasião ele disse que se não receber uma sentença em um julgamento, “Morales faz o que for” para que depois digam “sim ou sim”.

Embora Sala, por enquanto, ele não vai voltar para uma prisão comumComo o próprio Morales havia solicitado após a decisão da Corte pela sentença contra o líder social no caso “Pibes Villeros”, a organização exige que as condições de sua prisão domiciliar sejam salvaguardadas, minimamente, e que se deixe de lado a finalidade do deputado provincial.

Gerardo Morales: “Kirchnerismo tem que entender que completou um ciclo”

A esse respeito, o Centro de Estudos Jurídicos e Sociais (CELS) afirmou que esta resolução “não modifica a obrigação do Estado de proteger sua saúde física e mental”, e omite que qualquer regressão “Significa um aprofundamento do assédio contra ela” a pedido do Ministério Público para que ela cumpra pena em cadeia comum.

Em dezembro passado, militantes da organização Kirchner acamparam por três dias na Plaza de Mayo para exigir o indulto de Sala depois que o Tribunal manteve uma sentença de 13 anos de prisão pela causa conhecida como “Pibes villeros”, na qual ela foi acusada de associação ilícita e fraude do Estado. Amanhã fará sete anos desde sua prisão. Desde agosto de 2017, ele está em prisão domiciliar.

Sala dos Milagres
Para Sala, a prisão significou uma série de processos judiciais que foram iniciados no nível local: alguns chegaram a um julgamento oral, onde ela foi condenada; outros estão pendentes de resolução e, em alguns, foi arquivado.

Sobre a gestão da Frente de Todos, Sala se mostra decepcionado e conta: “Vou fazer críticas construtivas. Quando Alberto e Cristina assumiram, eu acreditava que a história iria mudar na Argentina e que aqueles que destruíram o país eram ir para a cadeia e aqueles de nós que ajudaram a reconstruir a Pátria iam ser libertados. E que a perseguição que eles enfrentavam ia acabar, mas infelizmente não tivemos essa resposta.”

Na mesma linha, voltou a acusar o chefe de Estado e até entrou na agenda nacional ao mencionar a coparticipação: “Não quero dizer que Alberto é inocente, mas em algumas coisas ele peca por acreditar em outras. Ele acreditou que o Tribunal ia fazer justiça e o Tribunal acabou por mostrar-lhe que governa com um sector que é de direito quando retirou a coparticipação para dizer que tem de pagar o Larreta. Primeiro eu, depois ele, Cristina (…)”.

A Suprema Corte está no olho da tempestade governista desde a decisão favorável à cidade de Buenos Aires pela devolução de 2,95% da comparticipação federal, motivo que levou à apresentação de um projeto de impeachment por Alberto Fernández, apoiado por um punhado de governadores aliados.

você pode gostar