Ele envelhecimento da população esperada para a América Latina em 2050 representa desafios para os governos locais, mas também oportunidades para reduzir as lacunas. A incorporação de mulheres e setores excluídos no mercado de trabalho pode ser a solução para a maior pressão sobre o sistema de aposentadoria e o sistema de saúde.

O documento elaborado pelas Nações Unidas e intitulado Relatório Social Mundial 2023: Não deixando ninguém para trás em um mundo envelhecido, afirma que até 2050 a região terá em média 17% de pessoas com mais de 65 anos em sua população. Hoje esse número é de 8,1%.

Este não é um fenômeno novo no mundo, mas a diferença é que não é mais uma situação particular dos países mais ricos, mas uma realidade cada vez mais difundida devido a menores taxas de natalidade e aumento da expectativa de vida.

Embora o fato do planejamento familiar e os avanços que nos fazem viver mais sejam positivos, eles também representam desafios. Sobretudo em termos de sistemas de aposentadoria que se alimentam das contribuições do presente trabalho.

Dia Mundial de Conscientização sobre Abusos e Maus-Tratos na Velhice

Por isso, a ONU recomendaampliar oportunidades de trabalho decente para mulheres e outros grupos tradicionalmente excluídos do mercado de trabalho formal”, o que de alguma forma resolverá o problema da queda da população economicamente ativa.

O caso das mulheres é particular, não só porque representam uma proporção menor da força de trabalho (com uma média de 47,4% contra 72,3% dos homens), mas também porque geralmente entram muito mais tarde nas atividades de trabalho ou saem temporariamente no caso de terem que se dedicar a tarefas assistenciais. Além disso, a expectativa de vida é maior para as mulheres, portanto, provavelmente há mais necessidades de acesso a pensões e cuidados de saúde entre sua população.

Na Argentina, segundo dados do último censo populacional, 51,4% são mulheres, enquanto os homens representam 47,89% do total.

De acordo com o relatório A participação da mulher no trabalho, renda e produção, elaborado pelo Ministério da Mulher, Gênero e Diversidade e pelo Observatório da Violência e Desigualdades por Razões de Gênero, a taxa de ocupação das mulheres é, em média, de 51,7%, enquanto é de 70,1% para os homens. Esses números não podem ser vistos separadamente: as mulheres superam os homens como percentual da população, mas ainda apresentam uma taxa de atividade menor, com uma diferença de quase 20 pontos.

Isso significa que, embora a lacuna tenda a diminuir, ela ainda persiste. Segundo o relatório do Ministério da Mulher, Gênero e Diversidade, essa diferença “diminuiu 2,3 ​​pontos percentuais em relação ao mesmo trimestre do ano anterior”.

Outras lacunas, por outro lado, se aprofundaram. O mesmo documento refere que “a taxa de desemprego é de 7,8% para as mulheres, enquanto para os homens é de 6,1%”, o que significa “um aumento da diferença de 0,3 pontos percentuais relativamente ao período homólogo de 2021”.

Uma participação mais igualitária no emprego formal, alerta a ONU, é necessária para enfrentar os desafios das próximas décadas. “A incorporação precoce das mulheres no mercado de trabalho em alguns países foi essencial para transformar positivamente as estruturas econômicas”, diz o documento, embora alerte que a realidade continua “refletindo papéis de gênero e status social”.

Diferença salarial permanece em 20% no mundo

Esses papéis de gênero também interferem na continuidade e no número de anos de contribuição que as mulheres podem fazer para o sistema previdenciário. Na Argentina, “a taxa de atividade das pessoas entre 25 e 60 anos que são chefes de família e cônjuges é significativamente reduzida nas mulheres à medida que aumenta o número de pessoas menores de 10 anos no lar”, alerta o documento elaborado por. o Ministério.

Relativamente à taxa de atividade dos chefes de família e cônjuges segundo o sexo, o relatório refere que enquanto as mulheres sem filhos atingem os 76,6%, este valor reduz-se para 75,8%, 63,7% e 49,9% respetivamente consoante tenham um, dois ou três crianças. No caso dos homens, ocorre o inverso: quanto maior o número de filhos, maior a taxa de ocupação, passando de 92,8% no caso dos que não têm, para 99,4% no caso dos que ter três ou mais.

A incorporação das mulheres neste mercado, que necessitará cada vez mais de mão-de-obra, terá também de enfrentar outro desafio: a redistribuição das tarefas de cuidado e a redefinição da sua importância como motor do crescimento.

você pode gostar